quarta-feira, 30 de dezembro de 2009

Feliz 2010!

video

Recebi de um amigo e achei oportuna a reflexão. Que tal imaginarmos um mundo sem diferenças! Feliz 2010! Eduardo

quinta-feira, 19 de novembro de 2009

Trecho que desabou do Rodoanel, foi pago antes de terminar...

O Estado de São Paulo
19/11/2009

Complexo recebeu adiantamento de R$ 2,6 milhões, ou 96,9% do valor total; TCU aponta erro em fiscalização

As obras do complexo de viadutos sobre a Rodovia Régis Bittencourt do Trecho Sul do Rodoanel, que caíram em 13/11, já foram quase que totalmente pagas pelo governo estadual, antes mesmo de serem concluídas. Foi realizado pagamento adiantado, com base em medições de obra que foram superdimensionadas.

Relatório do Tribunal de Contas da União (TCU) mostra que o viaduto de acesso à Régis já havia recebido adiantamento de R$ 2,6 milhões, apesar de as obras físicas estarem 73% concluídas na 37ª medição. Com esse adiantamento, seria necessário que 96,9% da obra estivesse pronta, uma diferença de 23,9% entre o realmente feito e o medido.

É apontada ainda uma grave falha na fiscalização tanto por parte da empresa Desenvolvimento Rodoviário S.A. (Dersa), estatal paulista, quanto por parte do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit), autarquia federal.

O TCU mostra que somente em obras de arte especiais - pontes, viadutos, passagens de nível e túneis - nos cinco lotes dos 61,4 quilômetros do Trecho Sul, foram pagos adiantados para serviços não realizados até a medição informada pelas empresas cerca de R$ 100,7 milhões. Já quando se somam também serviços que não estavam previstos no contrato original do empreendimento, o pagamento adiantado chega à casa dos R$ 236 milhões. O custo total do Trecho Sul é hoje de R$ 3,5 bilhões, além outro R$ 1,2 bilhão para desapropriações, ações reparatórias, remanejamento populacional e obras ambientais. Na época da medição em excesso, os preços atualizados estavam em R$ 3,2 bilhões. Os adiantamentos representavam 7,24% do total.

No lote 5, palco do acidente da última semana, os adiantamentos no pagamento das obras de arte especiais somaram R$ 5,8 milhões. Na construção da ponte sobre a Estrada Abdias da Silva, em Itapecerica da Serra, a medição apontava 95,7% concluídos, enquanto o avanço físico real era de 41%, uma diferença de 54,7%. Em dinheiro, isso significou um adiantamento de R$ 491 mil, para um custo total de R$ 897 mil.

Com 35% de diferença, as obras do retorno operacional na Régis Bittencourt obtiveram pagamento adiantado da Dersa de R$ 396 mil. A obra tinha apenas as fundações iniciadas, ou cerca de 50% do total, mas a medição apontava realização de 85%. O relatório foi efetuado no período entre 27 de abril e 10 de julho.

VIA ANCHIETA

Já uma medição de construção de viaduto no lote 2, próximo da Via Anchieta, em São Bernardo do Campo, mostrou que 99% da obra estava pronta, enquanto a parte física tinha apenas 21% prontos, uma diferença de 78%.

''Se houve medição acima do executado, há fraude''

Medições de obras são atestados do que foi executado e não deve haver incoerência quando comparadas com o que foi constatado nos canteiros de obras. Normalmente esse serviço toma como base o diário de obra. Grandes diferenças, segundo especialistas, podem configurar fraude.

"Se houve medição acima do executado há uma fraude. A medição é o ato de atestar o trabalho. É um ato administrativo. E este alguém que fez a medição falhou, o documento não seria verdadeiro", explica o professor de Direito Constitucional da PUC Luiz Tarcisio Teixeira Ferreira. "É liberação antecipada de pagamento de obra não feita. Deve haver fiscalização diuturna dos trabalhos para a medição. Há problema com quem mediu e com quem aceitou a medição."

O presidente do Sindicato Nacional das Empresas de Arquitetura e Engenharia Consultiva (Sinaenco), José Roberto Bernasconi, disse estranhar os apontamentos do Tribunal de Contas da União. "Isso que os auditores constataram não deveria acontecer. O certo é haver uma perfeita correspondência entre o que foi medido e que será pago", assinalou. "À medida que a obra é executada, deve haver um acompanhamento técnico e administrativo. É com base nisso que os valores são pagos."

A fiscalização sobre o que realmente foi executado e o que deve ser cobrado do administrador da obra, no caso a Dersa, cabe ao Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) e à própria Dersa. Mas a fiscalização foi terceirizada. Os representantes do Dnit nos canteiros de obras seriam cinco engenheiros e um coordenador. Mas numa reunião no dia 19 de junho, no Ministério Público Federal, descobriu-se que o coordenador da fiscalização do Dnit não era servidor federal, mas um funcionário da empresa Sondotécnica, paga com dinheiro público, o que constitui, segundo o TCU, "indício de irregularidade".

"Percebe-se, nessa situação, que a necessária independência entre a entidade fiscalizadora e a fiscalizada restou comprometida. Não é razoável que aquele que foi designado para fiscalizar em nome do Dnit a regular aplicação dos recursos públicos federais que estão sendo administrados pela Dersa seja contratado e remunerado pela própria estatal paulista e não pela autarquia federal", aponta o Tribunal.

O Dnit esclareceu que sua superintendência em São Paulo tem reduzido quadro de pessoal e que não dispunha de recursos necessários para acompanhar o empreendimento. A autarquia federal informou ainda que ficou deliberado em fevereiro de 2007, em audiência na qual o governador José Serra estava presente, que a Dersa "iria fornecer os meios ao Dnit para possibilitar" que o departamento participasse da supervisão das obras.

A Dersa alega que as pendências foram sanadas na assinatura do Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) firmado com o Ministério Público Federal em setembro, o que derruba qualquer denúncia de irregularidade nas medições e na fiscalização. "O Rodoanel Trecho Sul está devidamente regularizado no TCU a partir de todos os esclarecimentos prestados a estes órgãos com a participação do Ministério Público Federal", informa nota da estatal. Entretanto, o TAC apenas limita em R$ 264 milhões os gastos extras - valor constatado pelo TCU. Entretanto, isso não significa que os adiantamentos pagos no passado às empreiteiras estejam livres de irregularidades. O relatório do TCU ainda não foi apreciado em plenário e o processo de auditoria está tramitando.

fonte: jornal O Estado de São Paulo (19/11/2009). Reportagem: Eduardo Reina e Bruno Tavares


Leia a seguir, reportagem da Folha de S. Paulo (19/11/2009)

Empresa atua no Rodoanel mesmo após ter sido barrada

Carioca Engenharia havia sido excluída da licitação da obra pelo Estado por não ter conseguido comprovar capacidade técnica

Empreiteira só entrou oficialmente na obra em outubro de 2007, após se associar ao consórcio vencedor (OAS e Mendes Jr.)

Uma das empreiteiras responsáveis pela construção do viaduto do trecho sul do Rodoanel que ruiu na última sexta-feira, a Carioca Engenharia havia sido excluída da licitação da obra pela Dersa (estatal do governo de SP) por não ter conseguido comprovar capacidade técnica para os serviços.

A empresa só entrou oficialmente na obra em outubro de 2007, um ano e meio depois do fim da licitação, quando se associou ao consórcio vencedor do lote 5 (formado por OAS e Mendes Jr.), com autorização da gestão José Serra (PSDB).

A Dersa havia desclassificado a Carioca, que formara consórcio com a Construbase, já na pré-qualificação da concorrência. Nessa fase, as empreiteiras interessadas deveriam apresentar certificados de que tinham realizado obras com grau de complexidade semelhante.

A empreiteira tentou entrar com recurso na própria Dersa, que não aceitou os argumentos e manteve seu impedimento. Em razão da negativa, a Carioca foi à Justiça e obteve a possibilidade de concorrer aos lotes 1 e 5 - foi justamente neste último que ocorreu a queda das vigas sobre a Régis Bittencourt.

Mesmo após obter a autorização judicial para participar da licitação, as propostas apresentadas pelo consórcio Carioca-Construbase foram as mais caras. Ele ficou em último lugar nos três lotes em que disputou.

A Carioca também participava do consórcio do trecho do Fura-Fila responsável pela construção de um viaduto que desabou em abril de 2008.

sábado, 7 de novembro de 2009

Jacareí e a Sustentabilidade

Caros amigos e leitores do Blog,

Antes de qualquer coisa quero me desculpar por não ter publicado com mais frequencia neste blog, pois tenho estado ocupado com minhas novas atividades.
O fato é que tem histórias que a gente não pode deixar de contar, principalmente aquelas que tem haver com o tema de nosso blog –Sustentabilidade em Jacareí.
Não sei se vcs sabem escrevo tbm para outro blog -Transporte Público: Um problema ou solução. Segue o link para quem puder dar uma olhada, seram muito bem vindos.
http://facchini-transportepublico.blogspot.com/
Bem como falei a história é a seguinte, outro dia passando os olhos em alguns comentários que fazem em nosso blog, reparei o de um garoto de 14 anos chamado Thiago, que convidava para que conhecêssemos o seu blog, que tbm trata de assuntos de nossa cidade.
Então... Bem acho melhor copiar os e-mail(s) trocados, sem previa autorização do mesmo e já me desculpando, e justificando, pois a história exemplifica bem o que é construir a sustentabilidade de uma cidade.
Resolvi mandar o seguinte e-mail ao Thiago:
Em 03/11/2009 19:52, Eduardo
Olá Thiago,
Parabéns pelo Blog.
Escrevo para o Blog http://mobilidadedejacarei.blogspot.com/ que vc visitou, e acho muito importante, jovens como vc interessados em melhorar a vida em nossa cidade, e se vc permitir, irei colocar seu blog em “Link(s) Importantes” em nosso Blog.
Um abraço,
Eduardo Facchini

Em 2009/11/4, Thiago
Ola Eduardo obrigado pode sim colocar meu blog em Link(s) eu agradeço
Thiago Alexsander de Oliveira (estudante) 14 anos
Eduardo vc tbm é de Jacareí ? Vc tem qtos anos?

Em 04/11/2009 14:14, Eduardo
Não sou de Jacareí, trabalhei nesta cidade como diretor de Transporte Urbano da Secretaria de Infra-estrutura do atual governo, hoje estou trabalhando na Câmara de SP, e tenho 52 anos.
Um abraço
Eduardo
Obs. Já copiei o Link.

Em 2009/11/4, Thiago
MAIS PELO JEITO VC AINDA GOSTA DE JACAREÍ Ñ É? VC ACHA QUE ESTOU CERTO EM FAZER ESTE BLOG? EU ESTOU CERTO EM GOSTAR DE POLITICA SO COM 14 ANOS?
Um abraço
THIAGO

Em 04/11/2009 14:41, Eduardo
Thiago
Acho fundamental o jovem se interessar por política, a final isso é "sustentabilidade", e hoje em dia o "Planeta", não só Jacareí, precisa de sustentabilidade em suas políticas públicas.
Parabéns pelo seu interesse e pelo Blog, quanto à cidade conheci neste período em que trabalhei aí, e aprendi a gostar e respeitar seus moradores, assim ainda continuo a militar para o bem estar de sua população.
Um abraço
Eduardo

Em 2009/11/4, Thiago
Eu quando tiver 22 anos isso no ano de 2016 eu tentarei me candidatar para Vereador o que você acha? Para quem sabe um dia eu poso governar esta Cidade e este Pais
Um abraços do Thiago 14 anos

Em 04/11/2009 17:43, Eduardo
Thiago,
Não acho que seja impossível. O importante é que vc seja um político honesto, correto e que tenha em mente sempre o bem estar da coletividade, parece fácil mais não é, tente falar com o atual prefeito Hamilton ele vai gostar de vc pelo que estou vendo.
Ele pode te contar como tem sido a sua trajetória.
Um abraço
Eduardo

Em 2009/11/4, Thiago
Vou ver se acho o Hamilton no gabinete dele desta vez. Eu já falei isso para alguns Vereadores e me falaram o mesmo que vc. Sabe o email do Hamilton?
Um abraço do Thiago 14 anos

Em 04/11/2009 19:01, Eduardo
Entre no Blog dele esta “linkado” junto ao seu.
Edu

Em 2009/11/4, Thiago
Não achei o email do Hamilton e agora?

Em 04/11/2009 21:41, Eduardo
Escreva para o Blog, tenho certeza que ele respondera.
Um abraço e boa sorte
Eduardo

Em 2009/11/4, Thiago
Eduardo
Boa tarde
O Renato do gabinete do Hamilton me convidou para ir ao gabinete e falou que vc disse de mim para ele obrigado
Um abraço do Thiago 14 anos

Em 05/11/2009 23:49, Eduardo
Thiago,
Espero que vc falando com o Hamilton aprenda bastante e se prepare para o seu projeto.
Boa sorte,
Eduardo

Em 2009/11/5, Thiago
Muito obrigado
Thiago

Não tenho muito a acrescentar, a historinha é por si explicativa, mais cabe uma frase:
O governante que de fato quer fazer um governo do ponto de vista sustentável, deve antes de mais nada dar atenção as crianças e adolescentes, pois esses representam a continuidade das bases estabelecidas no seu governo.
Eduardo

sexta-feira, 23 de outubro de 2009

Monotrilho em Springfield!!!!!!!


Já que o Kassab é parceiro do Serra, que parece com Homer, e já que o Kassab resolve tudo agora com Monotrilho.
Em homenagem aos dois estou postando um desenho aonde Springfield é atacada pela onda do Monotrilho. Divirta-se!
Edu

quinta-feira, 22 de outubro de 2009

O que é Mobilidade Sustentável???

video"Um verdadeiro exemplo da Mobilidade Sustentável" A ação, feita em conjunto pela agência de publicidade DDB e pela Volkswagen, foi implantada em um metrô de Estocolmo, na Suécia. Imagine que você está descendo as escadas do metrô, como faz habitualmente todos os dias, e começa a ouvir sons de piano, tocados em ritmo que vai de acordo com os seu passos. Essa foi a proposta da agência de publicidade DDB em uma parceria com a Volkswagen. As duas empresas se reuniram para criarem um experimento chamado, Fun Theory (algo como "teoria divertida", em inglês), uma tentativa bem ambiciosa de tentar mudar os hábitos sedentários dos moradores da capital da Suécia, Estocolmo. Para isso, transformaram as escadas de uma estação de metrô em um piano, o que aumentou surpreendentemente o uso das escadas em 66%. O resultado você confere no vídeo. Parabéns para a DDB e para a Volkswagen, projeto genial!!!

segunda-feira, 24 de agosto de 2009

55ª Reunião Geral da Frente Nacional de Prefeitos, de 19 a 21 de agosto, debaterá sete temas sobre mobilidade urbana.

Matéria do MDT - 04/8 do Número 38 - julho / agosto de 2009

• A 55ª Reunião Geral da Frente Nacional de Prefeitos – evento marcado para o período de 19 a 21 de agosto de 2009, no Rio de Janeiro –, debaterá temas diretamente relacionados com a mobilidade nas cidades brasileiras: conseqüências e resistência à aprovação do mototáxi, PAC da Mobilidade e recursos para a mobilidade na Copa de 2014, a X Conferência das Cidades e o concurso Selo Cidade Cidadã – ambos, promovidos pela Comissão de Desenvolvimento Urbano da Câmara Federal –, o Projeto de Lei da Mobilidade Urbana, os trabalhos da Comissão de Desoneração de tarifas da Câmara e a Jornada Brasileira 'Na Cidade, Sem Meu Carro'.
A 55ª Reunião Geral da Frente Nacional de Prefeitos – evento marcado para o período de 19 a 21 de agosto de 2009, no Rio de Janeiro –, debaterá sete temas diretamente relacionados com a mobilidade nas cidades brasileiras. A sessão terá como coordenadores os prefeitos João Coser, de Vitória, e Wilson Santos, de Cuiabá, respectivamente, presidente e vice-presidente da Frente. Dos temas previstos, seis são da esfera federal e se referem às ações e iniciativas do Executivo e do Legislativo, e o outro tema diz respeito à mobilização internacional da sociedade civil e de administrações locais sobre IX Jornada Brasileira “na cidade ,sem meu carro”. Conheça os temas em debate na sessão:

Mototáxi. O Senado aprovou a regulamentação do serviço de mototáxi, contrariando recomendações de especialistas, de entidades do setor e de organizações médicas, e o presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva sancionou a lei, que, não obstante, não é auto-aplicável, como salienta nota divulgada em 30 de julho de 2009 por Dílson Peixoto, presidente do Fórum Nacional de Dirigentes Públicos de Transporte Urbano e Trânsito.
Dílson afirma na nota que caberá aos prefeitos a decisão de criar ou não o serviço de mototáxi em seu município. “Nossa recomendação aos prefeitos e técnicos do setor de todo o país é de aguardarem até final de novembro próximo, quando haverá a 70ª Reunião do Fórum Nacional, em Fortaleza, ocasião em que será discutido e definido um posicionamento minimamente uniforme quanto às regras a serem aplicadas, visando o mínimo de segurança e conforto para os passageiros deste precário meio de transporte, a motocicleta”.


PAC da Mobilidade. O ministro Márcio Fortes, das Cidades, foi convidado para falar sobre o PAC da Mobilidade, prometido há dois anos e ainda indefinido, e que diz respeito à destinação de recursos para investimentos em infra-estrutura para a mobilidade urbana; o governo federal até aqui vem trabalhando com os Estados e Municípios para lançar um PAC da Copa com investimentos para a mobilidade urbana nas cidades sede da copa do mundo de 2014.


X Conferência das Cidades. Prevista para os dias 1 e 2 de setembro de 2009, na Câmara Federal, em Brasília, discutirá o tema Mobilidade Urbana; trata-se de encontro já tradicional, organizado pela Comissão de Desenvolvimento Urbano da Câmara e que terá, nesta ocasião, o apoio da Frente Nacional de Prefeitos (FNP).


Selo Cidade Cidadã. A Comissão de Desenvolvimento Urbano promove também o concurso anual Selo Cidade Cidadã, em sua quinta edição, que visa selecionar e premiar municípios brasileiros que se destacaram na implementação de políticas de mobilidade urbana sustentável e inclusiva.


Projeto de Lei da Mobilidade Urbana. Foi instalada a Comissão Especial para debater o Projeto de Lei 1.687/2007, conhecido como 'PL da Mobilidade Urbana'; diversas audiências públicas sobre o tema estão previstas. O presidente da Comissão é o deputado Eduardo Sciarra, do Paraná, e a relatora a deputada Ângela Amim, de Santa Catarina; ambos foram convidados para o encontro da Frente Nacional de Prefeitos.


Desoneração das tarifas de transporte. O deputado Carlos Zaratini, de São Paulo, foi convidado para falar dos trabalhos da Comissão Especial que debate o Projeto de Lei 1.927/2003, que propõe a isenção das empresas de transporte coletivo urbano municipal e transporte coletivo urbano alternativo do pagamento da CIDE. Zaratini é o relator da Comissão, que tem como presidente o deputado Jackson Barreto, de Sergipe. Já foram realizadas sete audiências públicas, e a tendência é pela aprovação de um relatório que amplie a proposta de desoneração para outros tributos, estabelecendo diversas condicionalidades para a sua aplicação.


Dia sem carro. A IX Jornada Brasileira 'Na Cidade, Sem Meu Carro' – que ocorre sempre no dia 22 de setembro – é parte de uma mobilização mundial de conscientização, com o objetivo de mudar a mentalidade sobre a mobilidade urbana, buscando evidenciar a importância dos modos coletivos e não motorizados de transporte para os deslocamentos nas cidades. O MDT defende que a mobilização seja feita com a interrupção do trânsito e com apresentação de propostas sobre mobilidade sustentável.

Movimento Nacional pelo Direito ao Transporte Público de Qualidade para Todos

Matéria - do MDT - 03/8 do Número 38 - julho / agosto de 2009

Frente Nacional de Prefeitos e Comitê da Mobilidade do Conselho das Cidades buscam acelerar tramitação do Projeto de Lei da Mobilidade Urbana.

Em agosto faz dois anos que começou a lenta tramitação do Projeto de Lei da Mobilidade Urbana – PL 1687/2007 na Câmara Federal. A boa notícia é que a Frente Nacional de Prefeitos e o Comitê da Mobilidade do Conselho das Cidades elaboram proposta e se mobilizam para dar celeridade à tramitação desse projeto.
No mês de agosto merece destaque a tramitação do Projeto de Lei da Mobilidade Urbana – PL 1687/2007. Nesse mês, ao completar seu segundo ano em discussão na Câmara Federal (período em que caminhou lentamente), o projeto poderá ganhar o impulso de uma articulação entre o Fórum Nacional de Secretários e Dirigentes Públicos de Transporte e Trânsito, a Frente Nacional de Prefeitos (FNP), a Frente Parlamentar do Transporte Público e o Executivo Federal.


Táurio Lucio Tessarolo – assessor do prefeito João Coser, de Vitória, presidente da Frente Nacional de Prefeitos (FNP) – foi designado para coordenar, em nome do Fórum Nacional de Secretários e Dirigentes Públicos de Transporte e Trânsito, o acompanhamento da tramitação do PL da Mobilidade Urbana no Congresso. Com essa incumbência e tendo ao lado um representante da FNP, ele participou no dia 22 de julho de 2009, em Brasília, da reunião do Comitê de Trânsito, Transporte e Mobilidade Urbana do Conselho das Cidades, que examinou propostas da Secretaria Nacional de Transporte e Mobilidade Urbana (SeMob), órgão do Ministério das Cidades, para alterar o PL 1687/2007, gestado na própria SeMob e que incorporou propostas da ANTP e da Frente Parlamentar do Transporte Urbano.


A complexidade das mudanças sugeridas não permitiu que toda a pauta fosse esgotada naquela data, levando ao estabelecimento de uma segunda reunião para 13 de agosto de 2009. “No encontro do dia 22 de julho, a SeMob levou uma proposta muito detalhada, mostrando sugestões de mudanças em vários aspectos do projeto, incluindo definições e princípios. A proposta ficou tão densa que não conseguimos dar conta de discuti-la integralmente”, explicou Nazareno Stanislau Affonso, partidário da idéia de que o projeto original, elaborado pela própria SeMob após um longo período de discussão em todo o país e aprovado pelo pleno do Conselho das Cidades, fosse na linha de construir consensos sobre matérias que tinham divergências na ocasião.


Segundo Nazareno, a intenção do Comitê da Mobilidade é concluir a proposta das mudanças no projeto ainda no dia 13 de agosto. Essa nova redação do projeto será levada na próxima reunião do Conselho Nacional das Cidades, para ser referendado integralmente ou modificado. A expectativa é que o Conselho das Cidades aprove uma resolução recomendando essa redação seja enviada a Câmara para que inclua as mudanças propostas na elaboração do Projeto.


Referência. Já para o Fórum Nacional de Secretários e a Frente Nacional de Prefeitos, os pontos essenciais acordados no Comitê da Mobilidade servirão de referência para a elaboração de uma proposta a ser apresentada ao plenário da Frente Nacional de Prefeitos, em 21 de agosto de 2009, no Rio de Janeiro. Uma vez definida, a posição da Frente Nacional de Prefeitos será apresentada oficialmente na X Conferência das Cidades, nos dias 1 e 2 de setembro, organizada pela Comissão de Desenvolvimento Urbano da Câmara Federal, e que terá participação de parlamentares daquela Casa, incluindo os integrantes da Frente Parlamentar do Transporte Público, e a relatora do projeto, Deputada Ângela Amin.


O Fórum de Secretários espera que essa atitude reforce um trabalho de articulação com parlamentares de todos os partidos, não apenas na Câmara, mas também no Senado, visando à aprovação do PL da Mobilidade Urbana. “Há um significativo esforço de todos os segmentos envolvidos para que as posições estabelecidas nessas diferentes instâncias tenham a necessária convergência e, assim, efetivamente, ajudem no progresso do marco regulatório da Mobilidade Urbana, que marca passo na Câmara Federal há dois anos”, assinalou Nazareno Affonso.

domingo, 9 de agosto de 2009

Jacareí: Em busca da "Mobilidade Cidadã"









JACAREÍ continua firme na busca da "Mobilidade Cidadã", durante o evento da FAPIJA (feira tradicional da cidade de agropecuária), a prefeitura montou um EVT - Espaço Vivencial de Trânsito para as crianças que visitaram a feira terem oportunidade de aprender como se comportar no trânsito.
Aos poucos nossa cidade vem se transformando e procurando sua identidade, enfrentando os problemas dos novos tempos.

quinta-feira, 2 de julho de 2009

HOMENAGEM AO NOSSO RIO

Fernando Pessoa o grande poeta português, como todo grande poeta guardava um pouco de futurista em sua essência e nos diversos heterônimos de sua personalidade.
Alberto Caeiro, o mais “simples” dos heterônimos é o poeta da Natureza por excelência, e neste poema que segue o poeta focaliza um pouco o “rio que corre pela nossa aldeia".
Então em homenagem ao Rio Paraíba:
POEMA
O Tejo é mais belo que o rio que corre pela minha aldeia,
Mas o Tejo não é mais belo que o rio que corre pela minha aldeia
Porque o Tejo não é o rio que corre pela minha aldeia.

O Tejo tem grandes navios
E navega nele ainda,
Para aqueles que vêem em tudo o que lá não está,
A memória das naus.

O Tejo desce de Espanha
E o Tejo entra no mar em Portugal.
Toda a gente sabe isso.
Mas poucos sabem qual é o rio da minha aldeia
E para onde ele vai E donde ele vem.
E por isso porque pertence a menos gente,
É mais livre e maior o rio da minha aldeia.

Pelo Tejo vai-se para o Mundo.
Para além do Tejo há a América
E a fortuna daqueles que a encontram.
Ninguém nunca pensou no que há para além
Do rio da minha aldeia.

O rio da minha aldeia não faz pensar em nada.
Quem está ao pé dele está só ao pé dele.
Alberto Caeiro

sexta-feira, 29 de maio de 2009

Esclarecimentos

Caros seguidores e amigos leitores deste Blog.

Em virtude de dúvidas levantadas por alguns leitores e amigos, acho que cabe um esclarecimento quanto ao objetivo deste Blog.
Este espaço foi criado no intuito de proporcionar aos militantes da gestão pública sustentável, especificamente da mobilidade, moradores ou não de Jacareí, participantes ou não do atual governo, mais que tenham um vinculo com esta cidade e com os princípios de sustentabilidade que defendemos.
Portanto é um blog pessoal, não tendo nenhum vínculo com organismos institucionais de governos ou ONG(s). E é um espaço aberto e democrático para discussões e reflexões onde será sempre bem vinda a sua opinião.
Um abraço
Eduardo Facchini

quinta-feira, 21 de maio de 2009

Jacareí na busca da Sustentabilidade

Participei ontem dia 20 da plenária festiva de abertura do Orçamento Participativo de 2009, que aconteceu, na Casa Viva Vida, localizada na rua Itapira nº 260, Jardim Mesquita.
Sou um militante antigo do setor de gestões públicas, mais especificamente das áreas de “transporte e trânsito urbano”, moro em São Paulo, mais já morei em varias cidades do Estado de São Paulo, inclusive do Vale do Paraíba, e por razões obvias já participei de algumas experiências e reuniões sobre o tema em foco da reunião citada.
Fiquei impressionado com a história contada pelo prefeito quando relatou que em uma das reuniões passadas em determinado bairro, que não vem ao caso o nome, sua população (do bairro aonde estava sendo discutido a alocação de recursos do Orçamento Participativo) tinha que decidir se votaria em melhorias locais ou pelo saneamento básico de levar água a outro bairro, que ainda não gozava deste beneficio elementar. E aquela população votou por endereçar o recurso ao bairro carente de água encanada.
De fato o que impressionou e cabe esta reflexão é o grau de maturidade atingido pela população de Jacareí, no aspecto ético, moral e social, sem falar da ferramenta “Orçamento Participativo” que já a muito tempo sabemos de sua relevância e importância para o administrador público cumpridor de seus deveres.
Tenho a impressão que atingir este nível de consciência coletiva é o que no fundo é a sustentabilidade que buscamos e que devemos esperar das praticas democráticas e transparentes.
O objetivo das OP(s) é muito maior, ao meu ver, do que propor a população a transparência da distribuição do recurso público ou de proporcionar a esta o poder de decidir aonde investir.
E se estes foram os parâmetros que orientaram os criadores desta prática, garanto que buscaram o “bom” e acertaram no “ótimo”, é só olhar para esta experiência relatada pelo prefeito.
Parabéns aos moradores de Jacareí, por tudo que já falei, pelo amadurecimento político e antes de mais nada pelo espírito de solidariedade.
Eduardo

domingo, 8 de março de 2009

Mobilidade Urbana Sustentável

"Mobilidade Urbana é o resultado da interação dos deslocamentos de pessoas e bens entre si e com a própria cidade. Isso significa que o conceito de mobilidade urbana vai além do deslocamento de veículos ou do conjunto de serviços implantados para estes deslocamentos. Pensar a mobilidade urbana é mais que tratar apenas transporte e trânsito". (Ministério das Cidades, 2006)


Mobilidade Urbana Sustentável

A preocupação com o desenvolvimento sustentável tem incentivado o estudo e a implantação em diferentes setores, de medidas e procedimentos que contribuam para a harmonização das áreas urbanas.

Assim um de nossos principais desafios, em Jacareí, tem sido entre outros a implementação de um Plano Viário Sustentável, que faz parte de nosso programa de governo, como a finalização da pavimentação da Avenida do Cristal, revitalização da Avenida Getúlio Vargas, pavimentação da Rua João Américo, ligação da Nilo Máximo com Siqueira Campos, implantação da 3ª Ponte, implantação da Rodoviária no Jardim Santa Maria e varias outras intervenções planejadas para os próximos anos.

Mesmo vaga, a palavra “sustentabilidade” tem sempre a pretensão de considerar simultaneamente os impactos das atividades humanas numa perspectiva ambiental urbanística, de coesão social e de desenvolvimento econômico, tanto para atual como para as gerações futuras.

A avaliação de impactos é cada vez mais necessária em todos os campos de intervenções políticas para decidir sobre a utilização ótima dos recursos limitados de que se dispões, a fim de intensificar a competitividade econômica, minorar os impactos urbanísticos, melhorar o ambiente e aumentar a coesão social.

Neste sentido, a “mobilidade urbana sustentável” é uma questão chave para nosso governo, portanto os métodos e praticas para atingi-la devem ser delineados, experimentados e divulgados para abrir caminho a melhorias na qualidade de vida, ao conforto, à segurança e a sensação visualmente agradável aos se deslocar pela cidade.

Na elaboração de uma política pública para o trânsito e o transporte urbano de nossa cidade, temos que considerar os costumes, cultura, características físicas e sociais. Sabemos e não somos ingênuos a ponto de imaginar uma cidade que não leve em conta o uso do automóvel, e nem seria de bom senso.

Mas temos que nos guiar pelas dimensões do desenvolvimento sustentável, e nelas a mobilidade sustentável deve ser vista sob dois enfoques: um relacionado com a adequação da oferta de transporte ao contexto sócio econômico e outro relacionado com a qualidade de vida.

No primeiro enfoque, se enquadram medidas que associam o transporte ao desenvolvimento urbano e equidade social em relação aos deslocamentos e no segundo se enquadram a tecnologia e o modo de transporte a ser utilizado, procurando garantir a acessibilidade universal e o bem estar do cidadão.

A idéia é fazer deste espaço um lugar comum na busca de uma identidade para a nossa forma de “Mobilidade Urbana Sustentável”.
Assim convidamos a todos a participarem.
Um abraço
Dalton